Páginas

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

UM HOMEM DE CONSCIÊNCIA

UM HOMEM DE CONSCIÊNCIA

  1.      Chamava-se João Teodoro, só. O mais pacato e modesto dos homens. Honestíssimo e lealíssimo, com um defeito apenas: não dar o mínimo valor a si próprio. Para João Teodoro, a coisa de menos importância no mundo era João Teodoro.
  2.      Nunca fora nada na vida, nem admitia a hipótese de vir a ser alguma coisa. E por muito tempo não quis nem sequer o que todos queriam: mudar-se para terra melhor.
  3.      Mas João Teodoro acompanhava com aperto de coração o desaparecimento visível de sua Itaoca.
  4.      – Isto já foi muito melhor, dizia consigo. Já teve três médicos bem bons – agora só um, e bem ruinzote. Já teve seis advogados e hoje mal dá serviço para um rábula ordinário como o Tenório. Nem circo de cavalinhos bate mais por aqui. A gente que presta se muda. Fica o restolho. Decididamente, a minha Itaoca está se acabando…
  5.      João Teodoro entrou a incubar a ideia de também mudar-se, mas para isso necessitava dum fato qualquer que o convencesse de maneira absoluta de que Itaoca não tinha mesmo conserto ou arranjo possível.
  6.      – É isso, deliberou lá por dentro. Quando eu verificar que tudo está perdido, que Itaoca não vale mais nada de nada de nada, então eu arrumo a trouxa e boto-me fora daqui.
  7.      Um dia aconteceu a grande novidade: a nomeação de João Teodoro para delegado. Nosso homem recebeu a notícia como se fosse uma porretada no crânio. Delegado, ele! Ele que não era nada, nunca fora nada, não queria ser nada, não se julgava capaz de nada…
  8.      Ser delegado numa cidadezinha daquelas é coisa seríssima. Não há cargo mais importante. É o homem que prende os outros, que solta, que manda dar sovas, que vai à capital falar com o governo. Uma coisa colossal ser delegado – e estava ele, João Teodoro, de-le-ga-do de Itaoca!
  9.      João Teodoro caiu em meditação profunda. Passou a noite em claro, pensando e arrumando as malas. Pela madrugada, botou-as num burro, montou no seu cavalinho magro e partiu.
  10.      Antes de deixar a cidade, foi visto por um amigo madrugador.
  11.      – Que é isso, João? Para onde se atira tão cedo, assim de armas e bagagens?
  12.      – Vou-me embora, respondeu o retirante. Verifiquei que Itaoca chegou mesmo ao fim.
  13.      – Mas como? Agora que você está delegado?
  14.      – Justamente por isso. Terra em que João Teodoro chega a delegado, eu não moro. Adeus.
  15.      E sumiu.

(Monteiro Lobato, CIDADES MORTAS. 12a Edição. São Paulo,   Editora Brasiliense, 1965)

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Assimetria de Informações ou Informações Enganosas

A grande quantidade de informações mentirosas propagada pela mídia, muitas por jornalistas que não entendem Direito Previdenciário ou mesmo a real situação fiscal do país, tem prejudicado as discussões acerca de qualquer reforma séria da Previdência Social. Isto porque, de um lado, muitos dizem que a previdência social é deficitária, informação descaradamente mentirosa. Atualmente, cerca de 30% dos recursos que deveriam ser destinados à Previdência Social são destinados a outras áreas, principalmente as de interesse dos políticos. Depois temos o fato de que muitas empresas, sonegam e não pagam o que devem à Previdência e são beneficiadas pela morosidade da cobrança. Essa imensa quantidade de informações enganosas tendem a prejudicar qualquer debate sério já que a mídia, muitas vezes comprada com dinheiro público e de banqueiros a quem interessa alterações na distribuição dos recursos que hoje deveriam ser destinados à Previdência, não colabora trazendo a real situação das finanças públicas e a situação real da Previdência Social.

Inicialmente o Governo tira o dinheiro da Previdência por meio de um mecanismo de Desvinculação das Receitas da União para depois dizer que ela está deficitária. Ou seja, se ela é tão deficitária como o Governo diz por que tirar dinheiro dela para usar em outras áreas ????

Infelizmente, se tudo continuar indo como está, os maiores perdedores serão os trabalhadores.

Para saber mais veja o texto abaixo extraído do site do Senado:

A Desvinculação de Receitas da União (DRU) é um mecanismo que permite ao governo federal usar livremente 20% de todos os tributos federais vinculados por lei a fundos ou despesas. A principal fonte de recursos da DRU são as contribuições sociais, que respondem a cerca de 90% do montante desvinculado.

Criada em 1994 com o nome de Fundo Social de Emergência (FSE), essa desvinculação foi instituída para estabilizar a economia logo após o Plano Real. No ano 2000, o nome foi trocado para Desvinculação de Receitas da União.

Na prática, permite que o governo aplique os recursos destinados a áreas como educação, saúde e previdência social em qualquer despesa considerada prioritária e na formação de superávit primário. A DRU também possibilita o manejo de recursos para o pagamento de juros da dívida pública.

Prorrogada diversas vezes, a DRU está em vigor até 31 de dezembro de 2015. Em julho, o governo federal enviou ao Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 87/2015, estendendo novamente o instrumento até 2023.

A PEC aumenta de 20% para 30% a alíquota de desvinculação sobre a receita de contribuições sociais e econômicas, fundos constitucionais e compensações financeiras pela utilização de recursos hídricos para geração de energia elétrica e de outros recursos minerais. Por outro lado, impostos federais, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o Imposto de Renda (IR), não poderão mais ser desvinculados.

Fonte: http://www12.senado.leg.br/noticias/entenda-o-assunto/dru

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Governo espera melhora do PIB

Depois de afundar e chegar ao fundo do poço, Governo espera melhora do PIB, afinal de contas, não tem como cair mais do que já caiu.


Dicionário de Língua Portuguesa - Siginificado das Palavras

CBO - Código Brasileiro de Ocupações

Seguro-desemprego

Principais CID

Qual o CBO de ?

Sustentabilidade

Inflação Baixa Demais

Graças à contração extrema da atividade econômica a taxa de juros baixou
de forma enorme no Brasil e ainda assim a atividade econômica não
decola. Mais de 12 milhões de desempregados continuam sem emprego, isso
sem contar as pessoas que deixaram de integrar as estatísticas oficiais
simplesmente porque desistiram de procurar emprego. Enquanto isso, o
xing ling continua invadindo nosso país, roubando os empregos dos
brasileiros enquanto uma política equivocada de venda de commodities
colabora para manter a taxa de cambio no patamar mais baixo, causando
perda de competitividade dos produtos nacionais. O processo de
desindustrialização se acelera e as perspectivas são nebulosas, dificil
entender para onde vai caminhar nossa economia.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

A reforma da Previdência pode salvar o Brasil ?

É certo entre muitos analistas que a Reforma da Previdência pode ajudar
a crise fiscal do Brasil mas não resolver. O Brasil, infelizmente, é um
país com uma população pobre que demanda muitos serviços do governo e
por outro lado, possuimos políticas que não visam o bem público mas a
satisfazer a ganância de grupos políticos, então, além de tudo, o
governo gasta muito e gasta mal o dinheiro arrecadado.

Então, infelizmente, só a Reforma da Previdência não tem o poder de
salvar o Brasil, aliás, melhor seria que não fizesse a Reforma, assim
sobraria menos recursos para serem desviados por políticos corruptos.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

13,3 milhões de desempregados

13,3 milhões de desempregados

Atualmente, a pior desgraça que existe na nossa economia é o desemprego.

Sem recursos para suas necessidades básicas as famílias fazem cortes e muitas vezes, onde não poderia ser cortado. Uma mulher em gestação poderia deixar de se alimentar ou tomar vítaminas durante esse período ? Quais as implicações de uma má alimentação para o feto e para a gestante ? Um trabalhador que já está na pior pode deixar de contribuir com o INSS ? E se algo de ruim acontecer a ele ? Além de desempregado terá ainda de lidar com doenças e com que recursos ? E que dizer da sua aposentadoria no futuro ? Uma criança pode ficar sem livro para estudar ? Se ela não estudar enquanto é criança vai estudar quando ? Quando for adulta ? E que dizer de uma pessoa que está doente ? Pode esperar pelo seu remédio ? Algumas escolhas são difíceis de fazer e não estamos falando de coisas supérfluas e sim de necessidades básicas.

Infelizmente, quando uma pessoa está desempregada, muitas escolhas tem de ser feitas e nem sempre desejáveis. Escolhas que além de tudo podem impactar o futuro da família e do indivíduo.

Por isso que na minha opinião, o indicador Taxa de Desemprego é um dos mais importantes para verificar a situação de uma economia pois atrás daqueles números existe uma pessoa, uma família que está passando por uma situação delicada e muitas vezes até desesperadora.

A julgar pelos nossos números atuais o Brasil deveria estar numa UTI e não recebendo apenas cuidados paliativos.


Sobre o autor:
José Eduardo Foleto
O autor é Graduado em Ciências Econômicas e Logística e Pós-graduado em Perícia e Auditoria Ambiental.


Dinheiro e Investimentos

Reforma da Previdência

Aposentadoria por Tempo de Contribuição

Hans Kelsen




Podemos confiar na recuperação da economia ?

Podemos confiar na recuperação da economia ?

Devemos ter cuidado com anúncios dizendo que agora a Economia voltou a
andar. Não podemos nos esquecer que nos últimos meses o governo liberou
as contas inativas de FGTS e todo esse dinheiro que entrou para a
economia serviu ou para pagar dívidas ou para consumo. Entretanto, como
é um recurso que foi liberado e utilizado, que fazia parte da poupança,
do patrimônio do trabalhador, num primeiro instante ele produz uma
melhoria momentânea até se esgotar o recurso.

Não podemos nos esquecer que não se trata de um FLUXO de renda que
poderia causar um círculo virtuoso de crescimento na economia mas de
apenas um breve "suspiro" que trouxe um alívio momentâneo. Neste
momento, posso dizer que não temos dados suficientes para dar como certa
a recuperação da economia e por isso, todo cuidado é pouco tanto na
alocação dos recursos quanto na gestão de dívidas.

Dicas Incríveis